Mulheres com abortamento espontâneo recorrente de causa imune tendem a compartilhar maior número de antígenos leucocitários humano (HLA) com os maridos. Isso inibe que a mulher produza anticorpos assimétricos (IgG) que protegeriam o feto.

O teste de diagnóstico “cross match” negativo é padrão. O objetivo do tratamento é positivar o “cross match”. O tratamento imunoterápico nos linfócitos paternais modificariam o “cross mach” para positivo e poderiam induzir a produção maternal de anticorpos assimétricos.

No tratamento, as mulheres recebem uma dose de leucócitos (linfócitos paternais), por via intradérmica, a cada 15 dias. O casal é instruído a evitar gravidez e tomar cuidados preventivos contra doenças sexualmente transmissíveis. Após três injeções, um novo teste de diagnóstico é realizado e, caso o diagnóstico “cross match” seja positivo, a gravidez ficaria indicada. Durante os três primeiros meses de gravidez, uma aplicação deve ser feita a cada quinze dias.

Mulheres com doenças autoimunes e síndrome antifosfolipídios não podem realizar a terapia.

AGENDE UMA CONSULTA!

Un. Botafogo

Rua Sorocaba, 302

(21) 2286. 3540
(21) 2286. 9914

2º à 6º feira das 8h – 18h

Un. Ilha do Governador

Est. do Galeão, 2791

(21) 3353. 1641
(21) 3353. 1642

2º à 6º feira das 10h – 19h